Mestre Camisa
José Tadeu Cardoso
 
Começou na capoeira em: 1960
 
Estado / País onde ministra aulas: Rio de Janeiro - Brasil
 
José Tadeu Cardoso, nascido em Jacobina, na Bahia, iniciou-se na Capoeira nos anos 60 com seu irmão mais velho, Camisa Roxa. Em seguida mudou-se para Salvador, indo morar no bairro da Lapinha, onde continuou a praticar capoeira nas rodas de rua, principalmente nas de Mestre Valdemar e Traíra, que eram realizadas na Rua Pero Vaz. Posteriormente foi treinar na academia de Mestre Bimba, onde se formou. 
Rodou todo Brasil fazendo demonstrações de Capoeira na equipe de seu irmão, Camisa Roxa. Em 1972, com 16 anos, resolveu morar no Rio e começou a dar aulas em academias. No Rio de Janeiro, Camisa se dedicou à pesquisa da Capoeira, desenvolveu seu próprio método de ensino, seguindo os conceitos de Mestre Bimba.
 
Camisa fundou a Abadá-Capoeira, hoje presente em todos os estados brasileiros e em mais de 60 países do mundo seguindo a filosofia, doutrinas, normas e fundamentos ditados pelo Mestre.
 
Mestre Camisa sempre deu ênfase à profissionalização da Capoeira, pois desde o seu primeiro emprego até hoje, sobrevive fazendo o que mais gosta: ensinando capoeira.
 
Mestre Camisa desenvolve também um trabalho de apoio aos projetos de entidades que têm como fundamento, reverter a situação de miséria e abandono verificada em comunidades carentes. Em sua associação há profissionais capacitados para realizar trabalhos em escolas públicas e particulares, universidades, clubes, academias, condomínios e comunidades carentes.
 
Mestre Camisa usa o caráter lúdico da Capoeira para que o aluno descubra suas aptidões, tanto físicas como intelectuais, ensina a cantar, a tocar instrumentos e um verdadeiro estilo de vida, onde a malandragem é uma forma de enfrentar as dificuldades da vida de maneira saudável.
 
Mestre Camisa foi considerado um dos capoeiristas mais técnicos do mundo. (O Pelé da Capoeira).
 
Algumas passagens da trajetória do Grão Mestre Camisa até chegar ao Rio de Janeiro onde decidiu se fixar e posteriormente fundou a ABADÁ-CAPOEIRA.
 
O primeiro contato com a capoeira
 
"No interior da Bahia eu sempre via pessoas fazendo os movimentos de pernadas, jogando, mas de forma espontânea, sem berimbau. Mais tarde Camisa Roxa foi estudar em Salvador. Quando voltava, nos mostrava as técnicas de capoeira que estava aprendendo com Mestre Bimba. Esses pequenos aprendizados serviam de brincadeira entre os primos e aumentava nosso interesse pela capoeira. Além disso, as pessoas mais velhas da região, sempre tinham alguma história de capoeiristas e suas façanhas: um que batia em 3 ou 4 ao mesmo tempo, outro que tinha o corpo fechado" (...) "naquela época todo mundo usava facão na cintura, eu gostava de ficar vendo os mais velhos mostrando as técnicas de manuseio do facão" (...) "Quando se entrava num lugar de respeito, como a igreja, por exemplo, se tirava o chapéu e o facão e os deixava na entrada".
 
Da Fazenda Estiva até Salvador
 
"Nossa família tinha uma pequena fazenda chamada Estiva, onde morávamos, que ficava no interior da Bahia, dentro do distrito de Jacobina. Em Jacobina os colégios só ofereciam escolaridade até o científico. Os mais velhos sempre acabavam indo para Salvador, a fim de completar os estudos. Meu pai adiou ao máximo minha ida para Salvador, talvez porque tenha apostado na minha vocação para cuidar da fazenda, quando ele morreu fomos todos morar na Lapinha em Salvador..."
 
As rodas de rua e das festas populares
 
(...) "em Salvador eu gostava de freqüentar as festas populares, ver, e depois participar, das rodas de rua" (...) "Passei a jogar com mais freqüência nas rodas do Mestre Valdemar, na Liberdade (Pero Vaz)" (...) "Camisa Roxa me encontrou de madrugada jogando capoeira numa roda e achou que aquilo era perigoso para um menino de 12 anos. Em conversa com minha mãe ele alertou para o perigo da situação, e ela, que até então não me permitia treinar capoeira. Por achar que eu não ia muito bem nos estudos, achou por bem me matricular na academia do Mestre Bimba. Mas o que ela não soube que uma vez matriculado na academia, eu passei a fazer as duas coisas, treinar na academia à noite e jogar nas rodas de rua e das festas de dia..."
 
A academia de Mestre Bimba
 
(...)" A primeira vez que fui à academia de Mestre Bimba foi com meu irmão, apenas como visitante, pois ainda morava na fazenda.Fiquei atento a tudo que acontecia na aula, depois quando meu irmão me deixou no seu apartamento em Salvador para ir estudar, eu afastava os móveis e ficava tentando repetir tudo o que vi "(...)" Já matriculado treinava com empenho, fui batizado por um aluno chamado Calango e, em mais ou menos, um ano eu já era aluno formado do Mestre, em função da base com que entrei na "academia..."(...)" Aprendi muito da capoeira conversando com Mestre Bimba, ele já era um homem velho não usava mais o corpo para demonstrar "(...)" Mestre Bimba nos transmitia muita energia em suas aulas, o que facilitava o aprendizado "(...)" A academia era em forma de quadrado, na hora da roda os alunos sentavam no banco e ele tocava o seu berimbau sem nenhum acompanhamento "
 
A chegada no Rio
 
(...)" Naquela época já havia o comentário que Mestre Bimba ia para Goiás enquanto o meu irmão estava preparando uma turnê pelo Brasil com o grupo folclórico Olodum Maré. Eu, que sempre assistia os ensaios, resolvi acompanhar esta turnê de um ano "(...)" Participava de vários números, mas com maior freqüência os de capoeira "(...)" Quando iniciou a viagem eu já intuía que não voltaria mais a morar em Salvador, nas cidades onde passava, eu sempre avaliava a possibilidade de morar ali "(...)" No Rio de Janeiro a show ficou em cartaz durante 3 meses e depois seguiu para Europa com o nome de Brasil Tropical "(...) " A cidade me cativou, foi uma grande identificação com o samba, as escolas de samba, os morros, a vida social e a cultura de uma forma geral"(...)" não podia seguir com o grupo, pois tinha que ir para Salvador para estudar"(...)"o navio partiu para Europa e eu no cais assistindo, apenas com minha passagem para Salvador e alguns trocados que dava para mais uns dias de pensão. Rasguei a passagem e apostei no meu sonho de dar aulas de capoeira..."
 
Retirado do site ABADÁ/DF